ConsultComm, by marchini

31/08/2015

TRANSGÊNEROS NA TAILÂNDIA – CURIOSIDADES

Filed under: Geral — Fernando Marchini @ 08:57

O material abaixo tem quase quatro anos, e certamente terei que atualizar vários assuntos.

Não acompanhei mudanças no ordenamento tailandês após a tomada do governo pela atual junta militar, a qual introduziu controles rígidos em muitos aspectos da vida diária, principalmente sobre estrangeiros sem vínculos comprovados com o país.

Por ora, apenas colagens, para refrescar inclusive as minhas impressões:

 

Atitudes de deboche ou grosseria (por parte dos estrangeiros) são mais frequentes nas zonas onde o comércio sexual é explícito como, por exemplo, na notória Rua PAT-PONG e entorno, em pleno centro de Bangkok: durante o dia ela fervilha com o comercio regular, mas tão logo chega cai a noite transforma-se em calçadão com centenas de barraquinhas que oferecem tudo e mais um pouco, desde brinquedos infantis aos objetos eróticos de qualquer tipo, formato e tamanho, expostos lado a lado com as figuras de Buda e outros símbolos religiosos, que lá não têm o nosso significado de “sagrado”.

Ao pé dos comerciantes permanecem por horas e horas seus filhos de qualquer idade, meninos e meninas brincando como em qualquer quintal ou parquinho de escola, enquanto que na calçada em frente, meio metro depois, mulheres seminuas oferecem shows “ping-pong”, “polling dance”, “spanking @ beating”, “sado @ bondage”, “come to see, good for farangs (estrangeiros), come young man, come beautiful lady, have a fun with the most beautiful girls in Thailand, enjoy a body massage, enjoy a rub massage, and any other fantasy”.

Para o observador apenas do fator “diversão”, de fato é curioso, alegre, burlesco e até divertido, mas percebe-se a busca frenética por dinheiro dos passantes; é um chamamento à diversão seja ela qual for, não importando a cara do freguês, importa apenas a obtenção de dólares e de “bahts”, principalmente dos estrangeiros; acima de tudo, o risco de entrar-se nessas “cavernas” é enorme, pois achaques e extorsão de estrangeiros são habituais.

Um aspecto vagamente observado e mais conhecido por ouvir falar é o número de traficantes, normalmente originários da África negra, mesma situação que temos nas ruas centrais de São Paulo.

… e como falei sobre traficantes negros, um pouco sobre racismo: embarcando de volta para o Brasil, ao cruzar a primeira barreira da imigração no Aeroporto Suvarnabhumi em Bangkok, fui admitido rapidamente enquanto que um rapaz negro com cabelo rastafári foi retido para averiguações e percebi que pelo menos por uns cinco minutos ficou abrindo mala, sacudindo cada mecha dos cabelos e respondendo perguntas. Na escala seguinte, em Hong-kong, enquanto eu colhia informações com um agente da imigração, este fez sinal para seus pares, que retiveram outro rapaz negro para igual ritual de abre mala, mostra documentos, interrogatório tipo olho-no-olho; situação muito diferente no aeroporto de Dubai, última escala antes de Guarulhos: negros, amarelos, asiáticos, árabes e ocidentais caucasianos, homens e mulheres, todos sem distinção passando seus pertences de mão pelos aparelhos de raio-X…

No Comments »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Powered by WordPress